O professor e a comunicação | Sertão Nosso
O professor e a comunicação
11/10/2019 às 22:06

A comunicação entre os seres vivos é tão importante quanto o ar que se respira. A comunicação é usada principalmente como forma de sobrevivência da espécie humana, e  se manifesta nas mais diferentes formas, desde a primeira forma – o choro, na hora do nascimento, até o último suspiro, o homem comunica-se de forma consciente ou intuitiva. Muitas vezes, quando não se comunica, de forma convencional, o próprio silêncio fala muito. Por isso diz-se que a comunicação é inerente ao homem, pois este descobriu formas, meios e tecnologias com o fim específico de comunicar-se.

O papel do comunicador é por  importante, pois dele depende a transmissão de culturas, de saberes e conhecimentos. Neste sentido, há uma profissão que   comunicar é mas  necessário “o saber comunicar” e comunicar-se bem. O professor precisa deter o conhecimento e precisa, sobretudo transmitir esse conhecimento, pois se acredita  também que “ o homem sem o conhecimento não progride”. Por outro lado, “o homem sem a comunicação morre no isolamento”.

Comunicando-se e lançando mãos de todos os meios disponíveis, desde o seu silêncio interior, aliado com um olhar de aprovação ou desaprovação, passando por gestos, sorrisos, leveza no caminhar, roupas e tons de voz, o professor tem a  função de comunicar-se e comunicar-se bem, pois os seus receptores, na maioria das vezes, poderão usar a repetição de comportamento deste. Neste sentido a comunicação tem o cunho muito mais formador (educacional) que mera transmissão de conteúdos.

Se não é fácil comunicar-se, também não é fácil controlar de que forma  comunicar. Leve-se em consideração o stress diário, a falta de atenção e isso ocorre freqüentemente –  todo comunicador precisa de uma platéia atenta – entre outros fatores, que desestruturam o professor acarretando muito mais uma forma de “jogar informações” do que mesmo “comunicar informações”. Quando acontece a comunicação esta se insere no contexto psico-social de ouvinte, transformando-o ou dotando-o de capacidades transformadoras.

Concluímos que o papel fundamental do professor enquanto comunicador extrapola o simples transmitir conhecimentos, é ele próprio a comunicação, pois cada gesto e atitude, cada silêncio e palavra, cada expressão e manifestação física pode ser entendida como forma de comunicar e para isso vive o professor como agente transformador de pessoas, de coisas, de fazedor da história.

Ronildo Rocha

Deixe seu comentário