08/08/2015

Catolé precisa de paz


Por Josivan Alves
Catolé do Rocha/PB

Catolé precisa de paz

Por Josivam Alves

Nas últimas semanas Catolé do Rocha e região têm passado por uma onda de violência sem precedentes. A maioria das vítimas constitui-se de pessoas ainda muito jovens e do sexo masculino. Por serem humildes, nem tem havido tanta repercussão.

É de causar tristeza a realidade pela qual passamos. Em um dos casos, a vítima contava a idade de apenas 14 anos. Sepultar um filho dessa idade, para pai e mãe já tão maltratados pelas circunstâncias da vida, é mais doloroso ainda. E não são poucos os menores de idade que começam a entrar no mundo dos viciados. Isso para dizer o mínimo.

Ao se envolverem em atividades suspeitas, muitas vezes terminam pagando com a própria vida. Esses crimes apresentam características muito parecidas. Suas causas são também bastante semelhantes.

São assassinatos que não ocorrem em razão de uma briga, de uma luta corporal ou de motivação que seja tão diferente. Geralmente acontecem à noite, envolvem pessoas jovens e do sexo masculino. Seus autores nunca são conhecidos.

O problema maior é que estamos passando por uma crise de valores. Cultivar a ética, a moral, os bons costumes e as virtudes ficou para trás. É coisa do passado. Hoje, tudo gira em torno de se levar vantagem em tudo. E as consequências? São sempre desastrosas e irreversíveis.

É preciso fazer algo. Que tal uma campanha de conscientização nos meios de comunicação de massa? Ou talvez um movimento com a participação das escolas, com apoio do Ministério Público, do Judiciário. Poderia haver também divulgação através de panfletagem, cartazes, letreiros em paredes, em muros, outdoor e adesivos em automóveis.

É necessário educar o menino para não punir o homem.

Estamos vivendo um momento difícil. Os bares e boates com suas baladas têm mais frequência e maior presença da juventude do que as igrejas, os clubes de serviço, os encontros de jovens. Temos de iniciar o jovem na prática da virtude, dos costumes saudáveis, dos princípios que norteiam o ser humano para a prática do bem.

Josivam Alves / Catolé do Rocha, 10 de julho de 2014